26ª Subseção

A cidade de Tatuí no interior de São Paulo é hoje reconhecida principalmente pela sua vocação cultural, abrigando o maior conservatório de música da América Latina. No ano de 1932, tendo sido oficialmente criada a OAB/SP, a seccional se ramificou em vinte e oito subseções. A cidade de Tatuí recebeu a 26ª subseção. O momento foi noticiado pelo jornal Diário Nacional constando a comarca como sede abrangendo as cidades de Apiaí, Capão Bonito, Itararé, Itapetininga e Faxina, atual Itapeva.


Diário Nacional, 1932

No mesmo ano, o jornal Diário Nacional relacionava os nomes dos advogados inscritos em cada subseção. Na 26ª consta o nome do dr. Laurindo Dias Minhoto, eleito primeiro presidente na mesma época.


Diário Nacional, 1932

A primeira diretoria eleita foi composta pelos drs. Laurindo Dias Minhoto, Francisco de Barros Penteado e José Afonso Tricta, ainda em 1932.

1ª Diretoria

Presidente: Laurindo Dias Minhoto
Secretário: Francisco de Barros Penteado
Tesoureiro: José Afonso Tricta

A atual Casa do Advogado da 26ª subseção da OAB/SP foi inaugurada em 2005 sob a gestão da dra. Silvia Regina Catto Mocellin. No mesmo ano, a presidente também instalou a Escola de Ensino Superior (ESA), dedicada a contribuir efetivamente à classe dos advogados fornecendo recursos para a capacitação e aprimoramento no contexto da advocacia.

A notícia sobre a inauguração da Casa do Advogado em Tatuí foi assim transmitida pelo jornal Integração, em 2005:

"A 26ª Subsecção da OAB inaugurou nesta quinta-feira (15) as instalações da Casa do Advogado, na Avenida Dr. Salles Gomes nº 5 (...). A presidente da OAB Tatuí, Silvia Regina Catto Mocellin, informou que a Casa do Advogado é utilizada tanto por advogados, para pesquisa, consulta à biblioteca e atividades de lazer, como pela Procuradoria Geral do Estado, que utiliza as dependências para prestar assistência aos cidadãos (...). A inauguração começou às 19h30 e contou com a presença do diretor da seccional paulista..." Jornal Integração, 2005


Jornal Integração, 2005

Com o tempo, o aumento da quantidade de advogados inscritos na subseção e do volume de atendimento, motivaram o desejo se haver uma sede com maiores dimensões. Em 2013, a Câmara Municipal da cidade autorizou a doação do terreno no qual se edificaria a sede da 26ª subseção da OAB/SP, no início da gestão do dr. Eleodoro Alves de Camargo Filho.

Confirmada a construção do imóvel em 2015, a nova sede da subseção foi batizada com o nome de um dos advogados mais reconhecidos em Tatuí, o dr. Ivo Mendes. Atualmente a nova Casa do Advogado se encontra em processo de finalização e está sendo aguardada pelos advogados e a população.

Diretoria Atual – Gestão 2016/2018
Presidente: Eleodoro Alves de Camargo Filho
Vice-Presidente: Roseli Aparecida Soares
Secretário Geral: Laercio De Jesus Oliveira
Secretária Adjunta: Rosangela Aparecida Xisto Soares
Tesoureiro: Luis Claudio de Oliveira

Galeria de ex-presidentes

1932/1949 - Laurindo Dias Minhoto
1949/1965 - José Afonso Tricta
1965/1975 - Simeão José Sobral
1975/1979 - Benedito Antônio Dias da Silva
1979/1985 - José Rubens do Amaral Lincoln
1985/1987 - Benedito Antônio Dias da Silva
1987/2003 - Rafael Caetano da Silva Junior
2004/2012 - Silvia Regina Catto Mocellin
2013/2018 - Eleodoro Alves de Camargo Filho

Um pouco mais de história...

Tatuí em 1932

O surgimento oficial da OAB/SP em 1932 compartilhou um momento importante para a história brasileira: a Revolução de 1932, motivada por conflitos ideológicos e contestações políticas.

Naquele ano, diversas cidades do Estado de São Paulo se mobilizaram para participar ativamente de um dos maiores conflitos armado do país. Na cidade de Tatuí, inúmeros foram os voluntários que atuaram como soldados na Revolução.

O jornal Diário Nacional anunciou, em 1932, a atuação de Tatuí durante a Revolução em especial os voluntários Edmundo Paula Arruda e Sebastião P. da Costa:

"Tatuhy, a bela cidade do ramal de Itararé, não ficou inactiva ante o movimento que ora agita todo o Brasil e especialmente o nosso Estado (...). E, a apresentação de nada menos que 156 homens deu-se de maneira interessante. Os jovens Edmundo Paula Arruda, Eurico A. Nogueira, Pedro Tavares, João Cervone, Sebastião P. da Costa e Benedicto Antunes, fies à causa da nacionalidade, deliberaram partir para S. Paulo..." Diário Nacional, 1932


Diário Nacional, 1932

Atualmente é possível encontrar, no acervo do Museu Paulo Setúbal, artefatos antigos utilizados pelos voluntários durante a Revolução.

Paulo Setúbal

Paulo Setúbal de Oliveira foi advogado, jornalista, poeta e romancista nascido na cidade de Tatuí, em 1893. Formou-se em direito pela Faculdade de Direito de São Paulo e iniciou sua carreira como advogado na mesma cidade.

Ao se mudar para Santa Catarina, tornou-se um advogado reconhecido e, ao retornar à São Paulo, deu continuidade à carreira como advogado e deputado estadual. Como escritor, Paulo Setúbal publicou seu primeiro poema no jornal A Tarde, em São Paulo.

O periódico de São Paulo, A Vida Moderna: Literatura Actualidades Arte, publicou o texto de Manoel Victor sobre a produção literária de Paulo Setúbal, em especial o seu primeiro livro, Alma Cabocla (1920):

"A sua ‘Alma Cabocla’ que, há quase dois anos, tornou conto do nosso mercado de literatura, ficou morando em todos os lares como parte integrante das nossas bibliotecas de singeleza. Ali está sintetizada, num relance extraordinário de poesia, toda a história da nossa vida rural (...). O seu livro de verso marcou a verdadeira apoteose da nossa alma cabocla, reafirmando, na sua simpleza encantadora, o poeta extraordinário que nascera pequenino e que se veio fazendo grande..." A Vida Moderna: Literatura Actualidades Arte, 1921

Em 1935, já renomado como escritor, Paulo Setúbal foi consagrado pela Academia Brasileira de Letras. Este momento foi assim reportado pelo jornal Correio Paulitano:

"O brilhante escritor paulista, Paulo Setúbal, cujas obras o Brasil todo conhece e admira, foi recebido ontem, oficialmente, na Academia Brasileira de Letras, onde ocupará a vaga aberta com o falecimento de João Ribeiro (...). Paulo Setúbal deu à literatura brasileira uma série admirável de livros históricos." Correio Paulistano, 1935


Correio Paulistano, 1935

Na cidade de Tatuí, são constantes as homenagens em memória do escritor e advogado Paulo Setúbal, falecido em 1937. Em 1975, a cidade inaugurou o Museu e a Casa do escritor situadas no antigo Fórum da cidade. O jornal O Estado de S. Paulo transmitiu a notícia naquele ano:

"A ‘Casa de Paulo Setúbal’ e o Museu Histórico de Tatuí agora instalados no antigo prédio da Cadeia e Fórum, foram inaugurados ontem dentro das comemorações na Semana de Paulo Setubal e do aniversário de Tatuí. Segundo as autoridades do município ‘O Museu é a pedra angular de um movimento artístico e cultural que a cidade deverá preservar’..." O Estado de S. Paulo, 1975

O jornal ainda ressalta a ligação do escritor com a cidade:

"Tatuí reconhece que deve essa peculiaridade à Paulo Setúbal, que foi o primeiro a cantar e projetar a vida do município nos livros ‘Confiteor’ e ‘Alma Cabloca’ e foi também seu exemplo de dedicação à cultura, especialmente às letras, que ainda hoje inspira o povo da cidade..." O Estado de S. Paulo, 1975


O Estado de S. Paulo, 1975