20ª Subseção

No ano de 1932 a cidade de Jaú recebi a 20ª subseção da OAB/SP. Naquele ano, o jornal Diário Nacional relacionava os nomes dos advogados inscrições na Ordem de cidade. Dentre os inscritos, estava o dr. João Rodrigues de Miranda Júnior eleito primeiro presidente da subseção em 1933.


Diário Nacional, 1932

1ª Diretoria:

Presidente: João Rodrigues de Miranda Júnior
Vice-presidente: Álvaro Gomes dos Reis
Tesoureiro: João José Rodrigues de Moraes

Concluída a gestão do dr. João Rodrigues de Miranda Júnior, por motivos de renúncia ao cargo, a eleição do segundo presidente da 20ª subseção foi noticiada pelo jornal O Estado de S. Paulo em 1939 na qual foi eleito à presidência o dr. Waldo Ferraz Costa:

"No edifício do Fórum desta cidade realizou-se no dia 31 de março findo, às 16 horas, a posse da nova diretoria da 20ªsubseção, da Ordem dos Advogados para o biênio de 1939-1941. Estiveram presentes a essa reunião os drs. Waldo Ferras Costa, Álvaro Gomes dos Reis e João José Rodrigues de Moraes, respectivamente vice-presidente, secretário e tesoureiro da diretoria anterior (...). A nova diretoria ficou assim constituída: presidente, dr. Waldo Ferraz Costa; vice-presidente, dr. Mario Gomes Pahin; secretário, dr. Álvaro Gomes dos Reis e tesoureiro, dr. Joaquim Fernando Paes de Barros Neto. Tomando conhecimento do oficio de renúncia do dr. João Rodrigues de Miranda Júnior, lamentando esse fato a diretoria deliberou fazer a competente comunicação ao Conselho de Secção de S. Paulo..." O Estado de S. Paulo, 1939 


O Estado de São Paulo, 1939

A documentação histórica da subseção, a qual registra em ata as composições das diretorias foi iniciada em 1953, com a eleição do dr. Ary de Miranda Prado. Naquela época a sede a subseção se encontrava instalada em uma sala no Fórum:

"Aos trinta e seis dias do mês de março de mil novecentos e cinquenta e três, nesta cidade de Jaú e seda da 20ª subseção da Ordem dos Advogados do Brasil, da secção de São Paulo, situada em sede própria localizada no edifício do Fórum (...). Assumindo a presidência, o dr. Ary de Miranda Prado declarou iniciados os trabalhos..." – Ata da 20ª Subseção, 1953

No início, a subseção de Jaú utilizava salas de audiência do Fórum para realizar reuniões e atividades envolvidas com a Ordem e mais tarde, se fixou definitivamente em uma sala ainda no mesmo edifício.

Anos depois, devido o aumento de advogados inscritos na 20ª subseção e da demanda de serviços prestados à população, era fundamental que a Ordem em Jaú possuísse uma sede com maiores dimensões.

Em maio de 1982 a 20ª subseção da OAB/SP iniciou as obras para a edificação da sede em terreno doado pela Prefeitura Municipal de Jaú, na época gerida pelo prefeito Alfeu Fábris.

A Casa do Advogado foi inaugurada meses depois, em dezembro de 1982 sob a gestão do dr. Reynaldo Mattar.

Diretoria Atual – Gestão 2016/2018

Presidente: Newton Odair Mantelli
Vice-Presidente: Lincoln Rickiel Perdoná Lucas
Secretário Geral: Renato Simão de Arruda
Secretária Adjunta: Perla Savana Daniel
Tesoureiro: Irineu Moya Júnior

Galeria de ex-presidentes

1933/1935 - João Rodrigues de Miranda Júnior
1935/1937 - João Rodrigues de Miranda Júnior
1937/1939 - João Rodrigues de Miranda Júnior
1939/1941 - Waldo Ferraz Costa
1941/1943 - Mário Gomes Pahin
1943/1945 - Mário Gomes Pahin
1945/1947 - Mário Gomes Pahin
1947/1949 - Teófilo Xavier de Mendonça
1949/1951 - Mário Gomes Pahin
1951/1953 - Teófilo Xavier de Mendonça
1953/1955 - Ary de Miranda Prado
1955/1957 - Ary de Miranda Prado
1957/1959 - Antônio Carlos de A. Prado
1959/1961 - Orozimbo Loureiro Costa
1961/1963 - Paulo de Campos Fraga
1963/1965 - Cleso Monte Alegre
1965/1967 - Ary de Miranda Prado
1967/1969 - Gildo Renda
1969/1971 - Fabrício Crisci
1971/1973 - Cândido Galvão de Barros F. Netto
1973/1975 - Romeu Sancinetti
1975/1977 - Agostinho de Oliveira
1977/1979 - Reynaldo Mattar
1979/1981 - Reynaldo Mattar
1981/1983 - Reynaldo Mattar
1983/1985 - Rui Carvalho Piva
1985/1987 - Fernando Frederico de Almeida
1987/1989 - Clóvis Migliorini
1989/1991 - Fabrício Crisci
1991/1993 - José Salem Neto
1993/1995 - Antônio Evaristo Marot
1995/1997 - Antônio Evaristo Marot
1998/2000 - Rui Pacheco de A. Prado
2000 - Marcela Carinhato A. P. de C. Valente
2002 - Aline de Queiroz F. Teixeira
2001/2003 - Milton Prado Lyra
2004/2006 - Francisco A. Conti
2007/2009 - Luiz Freire Filho
2009 - José Roberto de A. Prado Ferraz Costa
2010/2012 - Júlio César Fiorino Vicente
2013/2015 - Júlio César Fiorino Vicente

Um pouco mais de história...

Jaú em 1932

A OAB/SP nasceu oficialmente em 1932 em meio a Revolução Constitucionalista. Esse período histórico foi marcado por intensos confrontos armados o qual teve a participação ativa de diversas cidades do Estado, sendo Jaú uma delas.

Foram inúmeros os trabalhos voluntários no período de Revolução, desde confecções de bandeiras e uniformes, a doações de materiais como capacetes e alimentos. A atuação de voluntários como soldados também foi muito elevada, sendo constantemente retratada em jornais como no jornal Diário Nacional a seguir:

"Como é do domínio público, quando S. Paulo lançou o grito de guerra, em nome da ordem e da lei, Jahu não ficou atrás das demais cidades do interior na mobilização de todas as nossas energias pela vitória da causa constitucionalista (...)" Diário Nacional, 1932


Diário Nacional, 1932

O jornal O Estado de S. Paulo acompanhou naquele ano as mobilizações durante a Revolução em Jáu ressaltando:

"Jahú desde que irrompeu o movimento constitucionalista, tem dado mais brilhante demonstração de sua cultura cívica. A população inteira se mobilizou ao primeiro alarme, disposta a dar seu decidido concurso a causa nacional. Logo de início formou-se a Comissão Municipal de Alistamento (...). Várias subcomissões foram criadas para diferentes fins, contando todas elas com a melhor boa vontade dos respectivos membros (...). Não se perdeu tempo em organizar o Batalhão Jahuense, para o que se contou com o auxílio de todas as classes, tendo prestado relevantes serviços nesses sentidos a Academia de Commercio ‘Horacio Berlinck’ e o Gymnasio Municipal..." O Estado de S. Paulo, 1932


O Estado de S. Paulo, 1932

Sabe-se que o piloto de Jaú, João Ribeiro de Barros também participou da Revolução. O Jornal Correio de S. Paulo noticiou o momento que o comandante se apresentou na cidade de Pindamonhangaba:


O Correio de S. Paulo, 1932

João Ribeiro de Barros

Nascido em 1900 em Jaú, João Ribeiro de Barros iniciou os estudos na Faculdade de Direito de São Paulo, mas após dois anos abandonou o curso para se dedicar à paixão que o deixaria famoso: a aviação. Cursou Mecânica Aeronáutica nos Estados Unidos e tirou brevet na França.

Aos 27 anos, João Ribeiro de Barros tornou-se famoso por ser o primeiro piloto das Américas a cruzar o Oceano Atlântico sem escalas. O avião utilizado para tal façanha, um hidroavião Savoia Marchetti, foi batizado com o nome "Jahu" como homenagem à cidade onde nasceu.

A tripulação composta por brasileiros, foi formada por João Ribeiro de Barros e mais três tripulantes, o copiloto, João Negrão, o mecânico Vasco Cinquini e o navegador Newton Braga.

O jornal O Estado de S. Paulo publicou matéria contando a história da travessia após vinte e cinco anos:

"Agora, que se completam 25 anos desde que foi concluída, nesta Capital, a primeira travessia aérea do Atlântico Sul, em aparelho exclusivamente pilotado por brasileiros e conforme plano também idealizado por um brasileiro, é oportuno relembrar a origem, o desenvolvimento e os efeitos dessa notabilíssima façanha, de enorme importância na história da aeronavegação nacional (...). Depois de um serie de frequentes e diversas dificuldades, algumas decorrentes da própria natureza do cometimento, mas outras propositalmente criadas, puderam afinal Ribeiro de Barros e seus três companheiros dar início à primeira travessia (...). No dia 14 de outubro de 1926 voaram, sobre a terra, de Sesto Calende até porto de Genova, ponto de partida oficial da viagem..." O Estado de S. Paulo, 1952


O Estado de S. Paulo, 1952

Em 1953 a cidade de Jaú instalou, na praça Siqueira Campos conhecida como "Jardim de Cima" o monumento em homenagem ao comandante.