18ª Subseção

A 18ª subseção da Ordem dos Advogados de São Paulo está situada na cidade de Taubaté. Embora sua criação tenha sido em 1932, o início das atividades ocorreu em 1933, sob a diretoria de Gastão Aldano Vaz da Câmara Leal.

1ª Diretoria

Presidente: Gastão Aldano Vaz da Câmara Leal
Secretário: Álvaro Cesar Braga

No ano seguinte, Avelino Corrêa foi eleito presidente, iniciando a gestão em 1935 conforme consta na documentação histórica da subseção:

"Aos trinta dias do mês de março de mil novecentos e trinta e cinco, nesta cidade de Taubaté, na sala das audiências, no edifício do Fórum, às quatorze horas, presentes o doutor Gastão Aldano Vaz da Câmara Leal, presidente da 18ª sub-secção da Ordem dos Advogados do Brasil e demais pessoas, comigo Aldano Oscar Braga, primeiro secretário da mesma sub-secção, foi pelo referido presidente declarada aberta a sessão (...) que consistiam na transmissão da posse da Diretoria que, nesta data, termina o seu mandato, a nova Directoria da sub-secção, eleita em 23 de dezembro de 1934 (...)" – Ata da 18ª Subseção

No início, as reuniões e atividades da subseção de Taubaté eram realizadas na sala de audiências no edifício do Fórum. A classe dos advogados, no entanto, aspirava por uma sede da 18ª subseção.

Dentre os advogados que almejavam por um local no qual os advogados pudessem se reunir e que atendesse às prerrogativas da classe, estava o dr. Paulo de Paula Rosa que, ao lado de seus colegas de profissão, fundaram a Associação do Advogado de Taubaté.

Dr. Paulo de Paula Rosa, eleito presidente da OAB Taubaté em 1980, foi empossado em 1981, e, no mesmo ano, com o apoio da OAB/SP, a Casa do Advogado destinada ao auxílio dos advogados e da população foi inaugurada.

Diretoria Atual 2016/2018:

Presidente: Luiz Guilherme Paiva Vianna
Vice-Presidente: Marly Ramon Fernandes Nogueira Santos
Secretário Geral: Jairo de Oliveira
Secretário Adjunto: Silvio Marcelo de Oliveira Mazzuia
Tesoureiro: Lucio Roberto Falce

Galeria de ex-presidentes

1933/1935 - Gastão Aldano Vaz da Câmara Leal
1935/1937 - Avelino Corrêa L. de Abreu
1937/1939 - Avelino Corrêa L. de Abreu
1939/1941 - Álvaro César Braga
1941/1943 - Álvaro César Braga
1943/1945 - José Aristides Monteiro
1945/1947 - Antônio de Moura Abud
1947/1949 - Antônio de Moura Abud
1949/1951 - Antônio de Moura Abud
1951/1953- Antônio de Moura Abud
1953/1955 - Antônio de Moura Abud
1955/1957 - Wilson Alves de Carvalho
1957/1959 - Wilson Alves de Carvalho
1959/1961 - Wilson Alves de Carvalho
1961/1963 - Clayde Torres Abud
1963/1965 - Wilson Alves de Carvalho
1965/1967 - Antônio Gama
1967/1969 - Antônio de Moura Abud Jr.
1969/1971 - Antônio de Moura Abud Jr.
1971/1973 - Moyses Calile Jr.
1973/1975 - Moyses Calile Jr.
1975/1977 - Hélio Cembranelli
1977 - Jamil José Elias
1977/1979 - Hélio Cembranelli
1979/1981 - Altino da Fonseca
1981/1983 - Paulo de Paula Rosa
1983/1985 - Benedito Olegário Resende Nogueira de Sá
1985/1987 - Jorge Alcides Teixeira
1987/1988 - Hamilton José de Oliveira
1989/1991- Paulo de Paula Rosa
1991/1993 - Paulo de Paula Rosa
1990/1991 - Antônio Carlos A. Silva
1992/1994 - Antônio Celso de Moraes Rego Elias
1995/1997 - Paulo de Paula Rosa
1998/2000 - Jorge Luiz de Carvalho Santos
2001/2003 - Jorge Luiz de Carvalho Santos
2004/2006 - Paulo de Paula Rosa
2007/2009 - Paulo de Paula Rosa
2010/2012 - Aluísio de Fátima Nobre de Jesus
2013/2015 - Luiz Guilherme Paiva Vianna

Um pouco mais de história...

Gastão Aldano Vaz da Câmara Leal 

Nascido no Rio de Janeiro em 1869, Gastão Aldano, além de ter sido primeiro presidente da 18ª subseção, foi também primeiro prefeito eleito da cidade de Taubaté de 1908 a 1915.

Sua mãe teve como padrinhos de casamento D. Pedro II e Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias, a imperatriz da qual foi dama de serviços. Apadrinhado pela princesa Isabel, Gastão Aldano desembarcou em Taubaté em 1883.

Formado em direito, a atuação de Gastão Aldano na cidade de Taubaté possui diversos marcos, como a construção do novo prédio do mercado municipal, considerada a primeira obra de cimento armado que se fez na cidade, canalizou os córregos do Convento Velho e do Saguiru e foi um dos fundadores da Associação Artística e Literária da cidade.


Prédio do Mercado Municipal/ Fonte: Almanaque Urupês


Associação Artística e Literária, 1895

Taubaté em 1932

Em 1932, quando oficialmente nascia a Ordem dos Advogados de São Paulo e quase simultaneamente as suas subseções, O Estado se encontrava em um grande conflito político e ideológico. A data 9 de julho de 1932, início da revolução, é reconhecida como símbolo dessa luta democrática e revolucionária.

No contexto da Revolução Constitucionalista de 1932, Taubaté foi cenário de grandes embates revolucionários no Vale do Paraíba, região considerada como uma das mais relevantes durante a revolução.

Em Taubaté foram formados cinco batalhões de voluntários que entraram em combate no Vale do Paraíba, sendo eles: Batalhão Jacques Felix; Batalhão dos Caçadores; Batalhão Arquidiocesano; Batalhão Mantiqueira e Batalhão Auxiliar da Força Pública do Estado.

Taubaté abrigou, no edifício da antiga Câmara Municipal, a sede da delegacia técnica e militar do MMDC. Sabe-se que as ruas da cidade eram tomadas por soldados e a população observava os prédios públicos sendo ocupados pelo Comando de Guerra.

O jornal Diário Nacional publicou em 18 de julho de 1932 a comunicação enviada por Taubaté ao então governador do Estado, Pedro de Toledo.

O texto, escrito pelo Dr. Granadino Guimarães e Dr. Antônio de Moura Abud, eleito presidente da OAB Taubaté em 1945, descreve como a cidade se organizou ressaltando as fábricas e os prédios ocupados que se transformaram em verdadeiros quartéis:

"Taubaté tem trabalhado, de modo altamente patriótico, concorrendo com todo o esforço possível (...) para a victoria absoluta da causa paulista, que é a causa do Brasil (...). Todas as dependências das fábricas da Seda estão transformadas em quarteis.." Diário Nacional, 1932 – Dr. Granadino Guimarães e Dr. Antônio de Moura Abud

Monteiro Lobato

Nascido em Taubaté no dia 18 de abril de 1882, graduou-se pela Faculdade de Direito de São Paulo em 1904 e durante alguns anos atuou como procurador público e promotor em Taubaté e Areias, ambos no interior de São Paulo.

Ao mesmo tempo, Monteiro Lobato colaborava e escrevia para jornais e revistas além de produzir alguns desenhos e caricaturas. Famoso especialmente pela sua produção literária, Monteiro Lobato foi jornalista, escritor e advogado.

O sítio no qual Monteiro Lobato nasceu e viveu até os doze anos de idade se transformou em "Museu Histórico, folclórico e Pedagógico Monteiro Lobato", uma instituição cultural que mantém a memória do escritor em Taubaté através de objetos pessoais, manuscritos e livros que por ele foram escritos.